Para abrir caminhos, acredite na força dos guerreiros

14/06/2010 20:54

 

Há horas em que os caminhos parecem travados. São pequenos nós que não desatam e nos fazem perder a direção. Conectar-se com o sagrado – orixás, divindades indianas e santos guerreiros – é uma forma de encontrar a serenidade e ultrapassar os obstáculos. Abre-se, assim, uma nova trilha.

Texto: Roberta De Lucca
Encarados como a ponte que nos liga ao divino, seres mitológicos, como são Jorge, Ogum e Ganesha, são cultuados pelo poder de descortinar as dificuldades e abrir caminhos. A chave para acessar essa força está na crença e na certeza de ter o pedido atendido. “A fé permite se conectar com a vibração da força invocada, abrindo espaço para sua manifestação na vida”, afirma Vagner Gonçalves da Silva, professor do departamento de antropologia da USP.
Portanto, pedir que o santo abra os caminhos é estar disposto a mudar, renovando ares, se entregando a novos desafios. “Quando invocamos essas divindades, é um momento de atenção e concentração, pois revela que o ponto em que estamos é resultado de nossas ações no passado e no presente”, afirma Meeta Ravindra, cantora indiana radicada no Brasil, que já gravou 13 CDs de cantos devocionais.
Para enfrentar essa empreitada, converse com esses emissários guerreiros em pequenos rituais: concentre-se no pedido e chame o sagrado para expandir seus horizontes e trazer a renovação a sua vida.

 

OGUM, PARA SITUAÇÕES DE MUDANÇA

Ogum detinha o conhecimento da forja do ferro. Era o único orixá que fazia espadas e ferramentas agrícolas – daí sua associação ao combate e à abertura de caminhos. “Para os devotos, ele resolve causas imediatas e atende a pedidos específicos para solucionar problemas”, explica Armando Vallado, doutor em sociologia pela USP e pai-de-santo.
Quem tem fé em Ogum acredita que ele, quando invocado, atende a solicitações objetivas para transformar a vida – seja mudar de país ou emprego. Questões de relacionamentos e pendências judiciais estão fora da alçada do guerreiro, que abre terreno para coisas novas, para a reestruturação do que se deseja renovar. Vale lembrar também que Ogum intercede só em favor de quem pede e não adianta pedir pelo outro. Como o dia desse orixá é terça-feira, é nela que os devotos costumam fazer pequenos rituais, como acender velas e tomar banho com ervas.
“Quando o pedido é atendido, os devotos costumam ajudar um morador de rua porque esse orixá protege os que vivem nessa condição”, afirma Vallado. Ele explica que na umbanda Ogum tem seu equivalente católico em são Jorge e santo Antônio (especialmente na Bahia).
A fotógrafa HELKA LU, 33 anos, acredita que sua força de superação para seguir em frente tem tudo a ver com o espírito guerreiro de Ogum. Helka se separou quando estava grávida e precisou tocar a vida com a responsabilidade de manter um bebê. “Pedi que Ogum me protegesse, desse força e confiança”, diz. Com a injeção de energia recebida, ela aumentou a renda doméstica apostando na criatividade para fazer bandeiras com imagens de divindades.

 

Ele pediu a ajuda de Ogum

A conexão com os orixás corre nas veias de Jair Santos, presidente da escola de samba Em Cima da Hora, de São Paulo. Bisneto de um escravo africano que era pai-de-santo, Jair nasceu durante um trabalho de umbanda. “Meu pai estava incorporado com o caboclo Tupinambá, que é da linha de Ogum, e foi ele quem fez o parto”, diz. Passaram-se 30 anos sem que Jair pedisse ajuda a Ogum. Mas quando soube que sua mulher não podia ter filhos por problemas no útero, Jair, aconselhado pelo pai, fez uma oferenda ao orixá que abre os caminhos e pediu que ele lhe desse um filho. “Três meses depois minha mulher engravidou e tivemos uma menina. Ficamos tão felizes que naquela época prometemos a Ogum que teríamos sete filhos. Já ganhamos seis”, conta.

 

Oração a São Jorge

Eu andarei vestido e armado com as armas de São Jorge para que meus inimigos tendo pés não me alcancem, tendo mãos não me peguem, tendo olhos não me vejam, e nem em pensamentos eles possam me fazer mal. Armas de fogo o meu corpo não alcançarão, facas e lanças se quebrem sem o meu corpo tocar, cordas e correntes se arrebentem sem o meu corpo amarrar.

Jesus Cristo, me proteja e me defenda com o poder de sua santa e divina graça, Virgem de Nazaré, me cubra com o seu manto sagrado e divino, protegendo-me em todas as minhas dores e aflições, e Deus, com sua divina misericórdia e grande poder, seja meu defensor contra as maldades e perseguições dos meus inimigos.

Glorioso São Jorge, em nome de Deus, estenda-me o seu escudo e as suas poderosas armas, defendendo-me com a sua força e com a sua grandeza, e que debaixo das patas de seu fiel ginete meus inimigos fiquem humildes e submissos a vós. Assim seja com o poder de Deus, de Jesus e da falange do Divino Espírito Santo. São Jorge Rogai por Nós.

 

 Fonte: Revista Bons Fluidos

http://bonsfluidos.abril.com.br/livre/edicoes/0099/07/07_03.shtml

Voltar