Saluba Vovó

24/07/2011 13:34

Nanã, a deusa dos mistérios, é uma divindade de origem simultânea à criação do mundo, pois quando Odudua separou a água parada, que já existia, e liberou do “saco da criação” a terra, no ponto de contacto desses dois elementos formou-se a lama dos pântanos, local onde se encontram os maiores fundamentos de Nana. 

Nana sintetiza em si morte, fecundidade e riqueza. O seu nome designa pessoas idosas e respeitáveis e, para os povos Jeje, da região do antigo Daomé, significa “mãe”. Nessa região, onde hoje se encontra a República do Benin, Nana é muitas vezes considerada a divindade suprema e talvez por essa razão seja frequentemente descrita como um orixá masculino.

Sendo a mais antiga das divindades das águas, ela representa a memória ancestral do nosso povo: é a mãe antiga (Iyá Agbà) por excelência. É mãe dos orixás Iroko, Obaluaiê e Oxumaré, mas por ser a deusa mais velha da Umbanda é respeitada como mãe por todos os outros orixás.

A vida está cercada de mistérios que ao longo da História atormentam o ser humano. Porém, quando ainda na Pré-História, o homem se viu diante do mistério da morte, em seu âmago irrompeu um sentimento ambíguo. Os mitos aliviavam essa dor e a razão apontava para aquilo que era certo no seu destino.

A morte faz surgir no homem os primeiros sentimentos religiosos, e nesse momento Nana faz-se compreender, pois nos primórdios da História os mortos eram enterrados em posição fetal, remetendo a uma ideia de nascimento ou renascimento. O homem primitivo entendeu que a morte e a vida caminham juntas, entendeu os mistérios de Nana.

Nana é o princípio, o meio e o fim; o nascimento, a vida e a morte.

Ela é a origem e o poder. Entender Nana é entender o destino, a vida e a trajectória do homem sobre a terra, pois Nana é a História. Nana é água parada, água da vida e da morte.

Nana é o começo porque Nanã é o barro e o barro é a vida. Nana é a dona do axé por ser o orixá que dá a vida e a sobrevivência, a senhora dos ibás que permite o nascimento dos deuses e dos homens.

Nana pode ser a lembrança angustiante da morte na vida do ser humano, mas apenas para aqueles que encaram esse final como algo negativo, como um fardo extremamente pesado que todo o ser carrega desde o seu nascimento. Na verdade, apenas as pessoas que têm o coração repleto de maldade e dedicam a vida a prejudicar o próximo se preocupam com isso. Aqueles que praticam boas acções vivem preocupados com o seu próprio bem, com a sua elevação espiritual e desejam ao próximo o mesmo que para si, só esperam da vida dias cada vez melhores e têm a morte como algo natural e inevitável. A sua certeza é a imortalidade da sua essência.

Nana, a mãe maior, é a luz que nos guia, o nosso quotidiano. Conhecer a própria vida e o próprio destino é conhecer Nana, pois os fundamentos dos orixás e da Umbanda estão ligados à vida. A nossa vida é o nosso orixá.

É na morte, condição para o renascimento e para a fecundidade, que se encontram os mistérios de Nana. Respeitada e temida, Nana, deusa das chuvas, da lama, da terra, juíza que castiga os homens faltosos, é a morte na essência da vida.
 

 

 

  • Trono da  Evolução
  • Elementos: Lodo
  • Sincretismo religioso: Santa Ana
  • Referências: Passagem e sabedoria (Nanã)
  • Cor: roxo
  • Oferenda: velas roxa ou brancas, flores, seu ponto de energia são as regiões de pântanos.
  • Saudação: Saluba Vovó
  • Trono da  Evolução
  • Elementos: Lodo
  • Sincretismo religioso: Santa Ana
  • Referências: Passagem e sabedoria (Nanã)
  • Cor: roxo
  • Oferenda: velas roxa ou brancas, flores, seu ponto de energia são as regiões de pântanos.
  • Saudação: Saluba Vovó

     

    Filhos de Nanã

     

    São pessoas com uma capacidade extrema de entendimento e compreensão com as falhas humanas e por causa disso perdoam e consolam aos que erram com grande facilidade. Vivem voltados para o bem estar da comunidade sempre fazendo o possível para atender as vontades e necessidades de todos.
     O filho de Nanã sempre parece ser muito mais velho do que realmente é. É um conservador por natureza e sente com freqüência saudades de um tempo que não viveu sempre achando que as coisas no passado eram bem melhores e, assim, sente-se distanciado da modernidade em que vive.
    Às vezes carinhosos até em excesso, se tornam também ranzinzas, preocupados em demasia com detalhes e têm uma forte tendência a criticar tudo e todos. Não costumam ter muito senso de humor e valorizam demais pequenos incidentes que transformam em grandes dramas. Odeiam ser contrariados e quando batem o pé em uma posição, dificilmente voltam atrás,
    Suas reações bem equilibradas e a pertinência das decisões, o conservam sempre no caminho da sabedoria e da justiça.
    Calmos, discretos e extremamente benevolentes, sempre agem com dignidade e gentileza, mas têm uma dificuldade nata em cumprir horários já que estão sempre achando que o dia é muito mais longo do que realmente é e pode esperar por sua lentidão.
    Com um temperamento severo e austero, chega bem perto da rabugice se tornando assim mais temido que amado.
    As mulheres, filhas desse orixá, não procuram embelezar-se para atrair ninguém e, muitas vezes, tornam-se distanciadas da sexualidade  passando uma imagem de pouca feminilidade.
    Geralmente os filhos de Nanã se dedicam ao trabalho e à ambição social e, pelo medo exacerbado de ser abandonado e sofrer, deixam de lado a vida amorosa sem se tornarem com isso, amargos ou tristes..

    Fonte: http://pt.shvoong.com/humanities/religion-studies/2043818-caracter%C3%ADsticas-dos-filhos-nan%C3%A3/#ixzz1T2g5ROeM

  • Voltar